Postado em set. de 2017

Literatura | Cultura

O diferencial das boas histórias

Paul Bloom, psicólogo canadense, reflete sobre a necessidade de se ter contato com a fantasia, e os desafios de se contar uma boa história.


Desde a infância até a vida adulta, uma das coisas que mais fazemos é provavelmente ouvir, assistir e ler histórias. O que muda, essencialmente, no tipo de história que queremos acompanhar? Conforme amadurecemos, ficamos mais propensos a gostar de narrativas realistas? O psicólogo cognitivo Paul Bloom reflete sobre a lógica própria da ficção, a necessidade dos adultos de ter contato com a fantasia, e os desafios de se contar uma boa história.

Ph.D em psicologia cognitiva pelo MIT, o canadense Paul Bloom é professor de Psicologia e Ciência Cognitiva em Yale. Suas pesquisas exploram como crianças e adultos percebem o mundo físico e social. Membro da Sociedade Americana de Psicologia, Bloom é premiado internacionalmente por seu trabalho em pesquisa e ensino.

Todos os vídeos do canal possuem legendas em português, inglês e espanhol. Para ativá-las, clique no primeiro ícone do menu inferior à direita do vídeo. No segundo ícone, você pode configurar o idioma da legenda.

Fronteiras do Pensamento | Produção Telos Cultural | Produção Audiovisual Okna Produções | Documentário Uma Certa Felicidade | Direção Pedro Isaias Lucas | Edição Alfredo Barros | Direção de Produção Gina O’Donnell | Tradução Marina Waquil e Francesco Settineri

Compartilhe


Paul Bloom

Paul Bloom

Psicólogo

Psicólogo canadense Ph.D em psicologia cognitiva pelo MIT e destacado professor de Psicologia e Ciência Cognitiva em Yale.
Ver Bio completa